Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores

Lançamentos

Antropologia
Ciências
Ciências sociais
Cinema e teatro
Comunicação
Dança
Direito
Educação
Filosofia
Geografia
História
Infantis e juvenis
Literatura

Música
Pedagogia
Política
Urbanismo

Editora Circuito

Todos
Lista de preços

 

 
As multidões e o império: entre globalização da guerra e universalização dos direitos

Giuseppe Cocco .(org.)
Graciela Hopstein
.(org.)
.
.
.

DP&A
ISBN 85-7490-128-8Cód. barras 9788574901282
Brochura14×21cm152p.230g2002..
Col. Política das multidões
R$ 28.00

A idéia deste livro nasceu em meio às manifestações contra a reunião do grupo dos oito países mais ricos do mundo (g-8) em Gênova, na Itália, nos dias 19, 20 e 21 de julho de 2001. A forte repressão policial, marcada por prisões, espancamentos e tortura, além da morte de um jovem, corroborou a lógica de guerra do governo Berlusconi, metonímia da dinâmica unilateral da política externa norte-americana (exemplificada pela recusa ao tratado de Kyoto, pelo abandono da Conferência de Durban sobre racismo e pela rejeição ao controle de armas biológicas). O objetivo inicial de compreender a “política das multidões”, a partir de suas origens, sua força e seus desafios, foi ampliado pelo atentado de 11 de setembro em Nova York. Impossível restringir-se a Gênova com a fumaça sinistra dos escombros do World Trade Center, centro financeiro do mundo “imperial”, obscurecendo o horizonte do “movimento dos movimentos”, também ele alimentado pelos mecanismos da globalização.

 
  Sumário

Introdução: A política das multidões
Giuseppe Cocco

I. Um mundo novo ainda será possível?

“Somos todos nova-iorquinos” — Antes de Gênova, depois de Nova York
Entrevista com Antonio Negri por Giuseppe Cocco e Maurizio Lazzarato

A crise da new economy e o trabalho das multidões
Christian Marazzi

II. Marchando para Gênova

Após o mercado do liberalismo, a marcha para a liberdade, porque o liberalismo é interessante
Yann Moulier-Boutang

A marcha planetária das montanhas mexicanas a Gênova
Documentos do Tute Bianche após retornarem do México

Os filhos rebeldes do mundo global
“Contra a globalização? Não nós, mas a esquerda reacionária”
Entrevista com Beppe Caccia por Michele Serra

Minha luta no Império
Impedir o G-8 de Gênova sem quebrar uma vidraça seque.
Com armas medievais, provocações e fantasia.
Para dizer não à globalização
Entrevista com Luca Casarini por Enrico Pedemonte

III. Gênova: o movimento dos movimentos

Nada mais será como antes
Marco Bascetta

O milagre do Genoa Social Forum
Vittorio Agnoletto

Assim começou o fim do Império
Antonio Negri

Auto-organização da inteligência coletiva global
Uma estratégia para o movimento pós-Seattle-Gênova
Franco Berardi (Bifo)

IV. Apocalipse Nova York

Dies irae
Lanfranco Caminiti

Apocalipse: Nova York após Gênova
Yann Moulier-Boutang

As zonas críticas da governança global
Saskia Sassen

O jogo acabou
Naomi Klein

V. Em defesa dos direitos

Fundamentalismo no espelho
Marco Bascetta

Milhares de mortos, milhões de pessoas privadas de suas liberdades civis?
Richard Stallman

Sobre a segurança e o terror
Giorgio Agamben