Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores

Lançamentos

Antropologia
Ciências
Ciências sociais
Cinema e teatro
Comunicação
Dança
Direito
Educação
Filosofia
Geografia
História
Infantis e juvenis
Literatura

Música
Pedagogia
Política
Urbanismo

Editora Circuito

Todos
Lista de preços

 

 
História escrita, história vivida:
movimentos sociais, memória e repressão política na ditadura militar brasileira

Jean Rodrigues Sales.(org.)
Luís Edmundo de Souza Moraes
.(org.)
Marcos Luiz Bretas.(org.)
Abner Francisco Sótenos.(org.)
.

Lamparina
ISBN 978 85 8316 059 5Cód. barras 9788583160595
Brochura14×21cm136p.200g2019..
Coed. Faperj
R$ 35.00

Inicialmente marcados pela temática da implantação do regime, da repressão e da atuação de certos movimentos políticos, particularmente, a luta armada e o movimento estudantil, os estudos hoje exploram uma variedade de temáticas. Questões como a participação de setores da sociedade civil no apoio ao golpe e a ditadura, a atuação de diversos setores de oposição, tais como trabalhadores urbanos e rurais; as diversas experiências culturais do período; a estrutura do aparato repressivo; a colaboração de países estrangeiros no sistema internacional de repressão, entre outras questões. Deve-se notar, contudo, que a questão racial negra e indígena durante o período não obteve a devida atenção da historiografia brasileira, sendo estes temas estudados frequentemente em áreas como educação, sociologia, ciências políticas e direito.

Com a instalação da Comissão Nacional da Verdade e de comissões a ela associadas, houve um impulso para aprofundar o conhecimento de áreas já estudadas ao mesmo tempo que vem contribuindo para abertura de novos campos de investigação sobre a ditadura.

É com esse pano de fundo que foi desenvolvido, a partir de 2014, o projeto “O testemunho como janela” (cujos resultados deram origem a este livro), que buscou avaliar o perfil dos atingidos pelas ações repressivas, assim como mapear a estrutura e o funcionamento do aparato repressivo local e regional no estado do Rio de Janeiro durante o regime militar instalado em 1964. Assim, a partir de um universo documental até aquele momento inédito para a pesquisa historiográfica, os processos avaliados pela Comissão de Reparação do Estado do Rio de Janeiro, buscamos produzir uma radiografia de diferente expressões do período tratado, dando destaque não somente à complexa estrutura da repressão ditatorial, mas também situando os diversos sujeitos e grupos que se constituíram como atores centrais da história do Brasil recente.

Esperamos que a leitura deste livro possa contribuir para o aprofundamento de pesquisas a respeito da ditadura militar no Brasil e, ao mesmo tempo, ajudar na reflexão sobre diversas construções e reconstruções da memória sobre esse período da história do país. Em um momento no qual setores da sociedade defendem o retorno do regime militar, as reflexões sobre tais temas tornam-se cada vez mais urgentes e relevantes.

 
  Sumário

Apresentação

Notas de pesquisa: o perfil dos atingidos e a estrutura repressiva do Estado ditatorial no Rio de Janeiro a partir de testemunhos prestados à Comissão de Reparação do Estado do Rio de Janeiro
Jean Rodrigues Sales

Luís Edmundo de Souza Moraes

Marcos Luiz Bretas

Abner Francisco Sótenos

“A Revolução conseguiu desbaratar todos os revolucionários”: 
repressão aos trabalhadores e rearticulação das forças políticas 
frente ao golpe de 1964
Felipe Ribeiro

Violência e poder do Estado nos momentos iniciais do regime militar: a ação da Guarda Rural do Ibra
Fabrício Teló

Leonilde Servolo de Medeiros

Modernizar a repressão política: a estratégia de formação de “homens de informações” durante a ditadura brasileira
Maud Chirio

Mariana Joffily

“Tinha um João Baptista no meio do caminho”: as manifestações pela anistia ampla, geral e irrestrita em 1979 e o olhar vigilante dos “protetores da nação”
Pâmela de Almeida Resende

Memórias arquivadas: reflexões acerca da produção de um 
acervo de entrevistas de história oral sobre direitos humanos
Angela Moreira Domingues da Silva

Luciana Quillet Heymann