Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores

Lançamentos

Antropologia
Ciências
Ciências sociais
Cinema e teatro
Comunicação
Dança
Direito
Educação
Filosofia
Geografia
História
Infantis e juvenis
Literatura

Música
Pedagogia
Política
Urbanismo

Editora Circuito

Todos
Lista de preços

 

 
Estabilidade e crescimento: a elite intelectual moderno-burguesa no ocaso do Desenvolvimentismo (1960-69)

Daniel de Pinho Barreiros.
.
.
.
.

Lamparina
ISBN 978-85-98271-79-8Cód. barras 9788598271798
Brochura15×22.5cm352p.510g2010..
Coed. FAPERJ
R$ 53.00

O estudo do pensamento e da ação da intelectualidade econômica não deve se esgotar na mera categorização em “tendências teóricas” ou “escolas”, inferidas a partir do conteúdo explícito da produção intelectual dos homens nelas enquadrados. Deve-se buscar compreender o exercício do intelectual a partir do uso que faz de diferentes modelos teóricos como instrumento para difundir determinado conjunto de valores éticos.

Orientado por essa premissa, este livro examina os fundamentos éticos do pensamento de um grupo de economistas composto por Eugênio Gudin, Otávio Gouvêa de Bulhões, Roberto Campos, Delfim Netto e Mario Henrique Simonsen, identificados como “elite intelectual moderno-burguesa”. Eles tiveram presença marcante no debate econômico brasileiro durante a década de 1960 e seguintes, além de terem participado diretamente do esforço de reformas engendrado após o golpe militar de 1964.

O estudo centra-se na produção intelectual desse grupo entre 1960 e 1969, no que se refere ao processo de dissolução do chamado Projeto Desenvolvimentista e às reformas econômicas empreendidas durante os governos de Castello Branco e de Costa e Silva. Para a análise dos fundamentos éticos da elite intelectual moderno-burguesa, adota-se aporte baseado no utilitarismo de Jeremy Bentham e de John Stuart Mill, bem como na filosofia analítica de G. E. Moore.

As relações entre ética e pensamento econômico, e entre pensamento e ação dos economistas, mostram que o exercício da função intelectual encontra claros limites quando entra em interseção com outros exercícios funcionais (político-burocrático, especialmente), levando a contradições que raramente serão decididas pelo exercício da própria função intelectual.

 
  Sumário

Introdução

1. As elites intelectuais no Brasil contemporâneo

2. O Projeto Desenvolvimentista

3. Elite intelectual reformista moderno-burguesa

4. Moeda e câmbio

5. Preços e salários

6. Desenvolvimentismo, populismo e seus malefícios

Conclusão

Referências