Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores

Lançamentos

Antropologia
Ciências
Ciências sociais
Cinema e teatro
Comunicação
Dança
Direito
Educação
Filosofia
Geografia
História
Infantis e juvenis
Literatura

Música
Pedagogia
Política
Urbanismo

Editora Circuito

Todos
Lista de preços

 

 
Aporias de Astérion

Elvira Vigna.
Ruth Silviano Brandão
.
.
.
.

Lamparina
ISBN 85-98271-14-4Cód. barras 9788598271149
Brochura29×21cm73p.310g2004..
R$ 26.00

Concebido a partir dos desenhos de Elvira Vigna, do casamento entre imagem e palavra, este é um livro luminoso dedicado à representação do homem e do nu masculino do ponto de vista da mulher. O que a prosa poética de Ruth revela em cada dobra, em cada retorno ao centro da concha textual, é que não há segurança no percurso entre essas paredes úmidas e estreitas, manchadas de sangue, sêmen e olores nem sempre perfumados. Fascínio e segurança raramente deitam-se na mesma cama.

O maior perigo deste livro é o desvelamento de que o labirinto existe dentro de toda mulher e, dentro do labirinto, o desejo imensurável por este ser bestial, que pode despertar a qualquer momento e invadir seu coração, sua pele, seu corpo todo. Nesta obra em que o diálogo texto-desenho se dá em sentido inverso do comum em textos ilustrados. Aqui, Elvira, que também trabalha com imagens, foi quem iniciou a parceria. A obra contém dez desenhos de nus masculinos, contextualizados por Ruth no mito do Minotauro.

 
  Sumário

A concha de Taurus

A escrita de Astérion

Astérion e suas máscaras

O irrevelável fulgor

O nascimento de Astérion

A apatia do touro

As mil mortes de Astérion

Odor de bestia

Ponto de fuga

Rastros insabidos se escavam

O insuportável desígnio

Filhas de Pasífae

O triz do ímpeto

Amartía

O olhar siderado de Ariana

O ponto vertiginoso do risco

Estranha alegria. Fascinação

As lágrimas de Astérion

A impossível imagem

A repetição da morte

Por breves momentos

O branco milênio da memória

A loucura dos sentidos

O poder do múltiplo

Dentro e fora do espaço. Dentro e fora do tempo

No coração, a morte

A luz fosca do olhar

A flor sangrenta do sonho

O infinito do breve