Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores

Lançamentos

Antropologia
Ciências
Ciências sociais
Cinema e teatro
Comunicação
Dança
Direito
Educação
Filosofia
Geografia
História
Infantis e juvenis
Literatura

Música
Pedagogia
Política
Urbanismo

Editora Circuito

Todos
Lista de preços

 

 
Elogio da punheta & O mistério da pós-doutora

Sebastião Nunes.
.
.
.
.

Lamparina
ISBN 85-98271-01-2Cód. barras 9788598271019
Brochura14×21cm120p.190g2004..
R$ 20.00

”Sebastião Nunes é o inventor de uma mitologia do avesso. Com espírito anárquico, iconoclasta, o escritor mineiro criou a Grande Enciclopédia da Insensatez Humana, usando todos os recursos visuais e semânticos disponíveis a sua imaginação tresloucada. […]

Como se não bastasse, fez uma cruel gozação de si mesmo, anunciando seu próprio falecimento, em edição apócrifa do caderno Mais!, da Folha de S.Paulo, utilizando o mesmo formato, papel e tipologia do prestigioso órgão de imprensa (traquinagem que quase lhe custou um processo judicial). Acabou por aí? Não, mal começou!

Sebastião Nunes enviou pelo correio nada menos que cem pequenos caixões-de-defunto a seus amigos, cúmplices e comparsas, contendo no interior uma pequena obra-prima: o seu Decálogo, em que realizou uma rigorosa análise social, psicanalítica e mediúnica da classe média brasileira, inaugurando conceitos basilares do pensamento hodierno, como inclame (indivíduo de classe média), ninclame (ninfeta de classe média), criclame (criança de classe média) e outras formulações teóricas cabeludas.

Por falar em palavras cabeludas, temos agora este Elogio da punheta, nova estripulia literária do maior escritor vivo da cidade de Sabará, e quem sabe de todo o interior mineiro, se não for do hemisfério sul do globo terrestre. Uma prosa cruel, lasciva, corrosiva, que dispensa maiores apresentações. Leitor amigo, vá ao banheiro agora, antes que seja tarde demais… tranque a porta e saboreie calmamente as páginas que seguem. Tome cuidado com o nervosismo e a afobação. Leia devagar, saboreando o humor ora grosso, hora fino, mas sempre inteligente, de Sebastião Nunes.”

Claudio Daniel

 
  Sumário

Elogio da punheta

O mistério da pós-doutora