Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores

Lançamentos

Antropologia
Ciências
Ciências sociais
Cinema e teatro
Comunicação
Dança
Direito
Educação
Filosofia
Geografia
História
Infantis e juvenis
Literatura

Música
Pedagogia
Política
Urbanismo

Editora Circuito

Todos
Lista de preços

 

 
Trabalho e tradição sindical no Rio de Janeiro: a trajetória dos metalúrgicos

José Ricardo Ramalho.(org.)
Marco Aurélio Santana
.(org.)
.
.
.

DP&A
ISBN 85-7490-056-7Cód. barras 9788574900568
Brochura14×21cm320p.440g2001..
Coed. FAPERJ
R$ 40.00

Os textos reunidos nesta coletânea sobre os metalúrgicos do Rio de Janeiro atribuem importância fundamental ao estudo da classe trabalhadora no seu fazer-se. Assumem uma perspectiva que valoriza o processo de formação dessa classe e do movimento sindical brasileiros e colocam em debate aspectos ainda pouco explorados na historiografia ao rediscutir, à luz de novas investigações, concepções acerca da participação, muitas vezes contraditória, dos trabalhadores metalúrgicos no cenário político-sindical.

A história dos metalúrgicos brasileiros talvez se coloque entre as experiências mais significativas no processo de formação da classe trabalhadora no país, certamente constituindo-se, nas últimas décadas do século XX, em fio condutor do movimento sindical. Uma tradição que começou a se construir no início do século passado, tendo a categoria assumido papéis decisivos nos principais eventos políticos desde então, sobrevivendo e recriando sua identidade a partir de conjunturas econômicas e políticas diversas, nas quais foi chamada a responder pelos desafios da sua representação e da contestação de políticas e práticas lesivas aos trabalhadores.
Pode-se dizer que as lutas do ABC paulista, concreta e simbolicamente, coroam a trajetória percorrida pelos metalúrgicos, ao longo do século XX, dando-lhe visibilidade e revelando o alcance de sua atuação. No Rio de Janeiro, os estudos têm demonstrado a importância política e social da categoria. Registra-se a participação dos metalúrgicos fluminenses e dos vários grupos de militantes em seu interior nas lutas pela autonomia e liberdade sindical, nos movimentos nacionais de paralisação pela garantia e aquisição de direitos trabalhistas e nos grandes movimentos pela redemocratização do país.

 
  Sumário

Introdução

Parte 1: Trabalhadores, fábricas e sindicato

Tradição sindical e as mudanças econômicas dos anos 1990
José Ricardo Ramalho; Marco Aurélio Santana

A construção da “família siderúrgica”: Gestão paternalista e empresa estatal
Regina Lúcia M. Morel

Metalúrgicos, sempre operários navais: Da cultura de direitos às perspectivas dos sem-fábrica da Indústria Naval do Rio de Janeiro
Elina G. da Fonte Pessanha

Metalúrgicos do Rio de Janeiro e a repressão política do pós-1964
José Ricardo Ramalho

Parte 2: Sindicato do Metalúrgicos — diversas fases de uma trajetória

Sindicato do Metalúrgicos e a construção da identidade coletiva do grupo operário (1917-1945)
Eduardo Navarro Stotz

Trabalhadores e militância sindical: a relação partido/sindicato/classe no Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro (1947-1964)
Marco Aurélio Santanna

O estatismo sindical e a transição democrática: Um estudo sobre o Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro (1974-1985)
Francisco Carlos Palomanes Martinho

O Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro nos anos de 1980: Os primórdios do “novo sindicalismo”
Regina Helena Malta Nascimento

Metalúrgicos em fotos