Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores
 
  Raquel de Almeida Moraes
Professora adjunta do Departamento de Planejamento e Administração da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), pedagoga, mestre e doutora em Educação (Filosofia e História) pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). É autora de Informática na educação (2002) e coorganizadora, com Leda Maria Rangearo Fiorentini, de Linguagens e interatividade na educação a distância (2003), ambos pela DP&A.
 
 

 

 
Linguagens e interatividade na educação a distância

Leda Maria Rangearo Fiorentini.
Raquel de Almeida Moraes.
.
.
.
Dedica-se a compreender como a interatividade contribui para definir as concepções dos textos didáticos, do hipertexto e dos programas de televisão e vídeo, de modo a empregá-los em seus limites mais satisfatórios. Associada aos dispositivos tecnológicos, a interação desponta como fator de importância definitiva na educação a distância, pois determina com rigor objetivo o uso que se faz dos meios de comunicação, as novas relações entre os atores do processo de ensino- -aprendizagem que se estabelecem no plano da linguagem e na produção do material educativo. A assimilação de conhecimentos, aberta e flexível, é caracterizada pela possibilidade de desvelar significados, negociar sentidos e mediar múltiplos saberes.

 
 

 

 
Informática na educação

Raquel de Almeida Moraes.
.
.
.
.
Analisa a política de informática na educação brasileira, das origens nos anos 1930 até 1989, quando da volta das eleições diretas. Avalia-lhe tendências e contradições, como as decorrentes da lógica de oposição entre as racionalidades de acumulação local e global. Ancora-se na tese de que a área sofreu uma ação intervencionista-nacionalista, o que se deve, na visão da autora, ao caráter estratégico que as tecnologias adquiriram com o desenvolvimento capitalista no Brasil. O argumento central do estudo é o de que, em face do processo de redemocratização do país, o processo decisório de informática na educação passou a demandar novos atores, como os pesquisadores envolvidos nos projetos estatais e a sociedade civil.