Home Editora Livros Notícias Onomástica Distribuidores
 
  Carlos Nelson Coutinho
Professor titular de Teoria Política e de Formação Social do Brasil na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É autor de Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político (Civilização Brasileira, 1999) e Contra a corrente: ensaios sobre democracia e socialismo (Cortez, 2000), além de ser o editor brasileiro de Cadernos de cárcere, de Antonio Gramsci (Civilização Brasileira, 1999).
 
 

 

 
Cultura e sociedade no Brasil: ensaios sobre ideias e formas

Carlos Nelson Coutinho.
.
.
.
.
Um dos mais conhecidos pensadores marxistas brasileiros, Carlos Nelson Coutinho examina, num conjunto de ensaios escritos ao longo de mais de trinta anos, determinações fundamentais da relação entre cultura e sociedade no país. Além de propor uma original análise da formação da intelectualidade nacional, interpreta obras de autores como Lima Barreto, Graciliano Ramos, Caio Prado Júnior e Florestan Fernandes — mostrando como criaram, por meios estéticos ou teórico-conceituais, outra imagem do Brasil. Com preocupação metodológica inspirada em Gramsci e Lukács, atesta que as produções culturais só podem ser plenamente avaliadas quando inseridas na totalidade social de que são expressão e momento constitutivo.

 
 

 

 
As rosas e os Cadernos: o pensamento dialógico de Antonio Gramsci

Giorgio Baratta.
.
.
.
.
No isolamento do cárcere, Gramsci estabeleceu uma rede de comunicação não apenas com o restrito mundo consentido pelas leis penais, mas principalmente com interlocutores virtuais e gerações futuras, mediante um diálogo permanente. Desse colóquio imaginado entregue nas geniais notas dos Cadernos derivou o que se revelaria uma assombrosa análise do mundo contemporâneo em suas faces mais complexas e contraditórias. Giorgio Baratta discorre sobre a obra gramsciana, estabelecendo um pertinente contraponto com as problemáticas maiores da atualidade. Isso faz com que os escritos do filósofo italiano interajam com autores como Stuart Hall, Edward Said, Etienne Balibar e Carlos Nelson Coutinho.

 
 

 

 
Afinal, que país é este?

Pedro Cláudio Cunca Bocayuva.(org.)
Sandra Mayrink Veiga.(org.)
.
.
.
Explica o Brasil como uma nação de construção interrompida, de modernização por contrarrevolução, de modernidade conduzida pelo atraso, de mobilidade nos marcos da subordinação periférica. O livro oferece uma matriz analítica da questão nacional, centrada na problemática da democracia e da cidadania em face dos bloqueios estruturais gerados no desenvolvimento dependente, periférico e excludente, cuja longa duração orienta o modelo político, econômico, social e cultural. O país é parte da acumulação primitiva sobre a qual se ergue, de forma polarizada, o mundo moderno ocidental, transformando as metrópoles e colônias em centros e periferias, com ritmos desiguais.